Raif Badawi o Direito de Ser Blogger

Somos todos Raif Badawi, se acreditamos que a liberdade de expessão é um direito inalienável da Pessoa Humana, então todos somos Raif Badawi.

O Humanismo

O Humanismo mais que uma ideologia é uma praxis ao alcance de cada um de nós, somos chamados a fazer o que estiver ao nosso alcance e de acordo com as nossas possibilidades em prol do bem comum.

A Terceira Idade e a Cultura Intergeracional

A revolução grisalha, e a cultura de uma sociedade intergeracional, juntanto-se a todo o conjunto de uma cultura de inclusão, a força da juventude e a sabedoria da idade produzem um mundo novo.

Solidariedade Social

A solidariedade social, mais que comunhão de esforços em prol de causas é o dar-se em prol dos nossos semelhante, é um dos temas centrais deste blog,.

Trabalhos Académicos, do Serviço Social e Sociologia à Ciência Política

Desde 2010 que o Etcetera, disponibiliza para consulta, um conjunto de estudos académicos de várias áreas da ciência, como sociologia, psicologia, ciência política, economia social entre outras.

Sugestões de Leitura - Lista de Livros

Lista de Livros, sugestão dos mais importantes da Literatura Universal e Humanista, o mais importante é ler bons livros e não sermos guiados pelos livros da moda.

domingo, 25 de outubro de 2015

Livros Didáticos - Coleção Primeiros Passos

A coleção Primeiros Passos, da Editora Brasiliense, fundada por Caio Prado, historiador brasileiro, conta já com 30 anos de existência, trata-se de um conjunto de livros didáticos e para didáticos, que abordam temas que vão da política à cultura, da psicologia à bioética, do mito à arte, com textos escritos por autores e investigadores especializados em diversas áreas do saber e da ciência.
Os livros fazem hoje parte do acervo de inúmeras bibliotecas municipais, estaduais e até universitárias, dentro e fora do Brasil, devido a uma escrita clara, objetiva, direta e sintética cujo objetivo é o de iniciar o leitor no tema que tem em mãos, motivado quer pelo interesse pessoal, quer no âmbito dos estudos.
Dos 330 títulos da coleção, apenas apresentamos alguns livros, embora nem todos estejam completos, que no entanto deixamos abaixo para o leitor aceder para consulta ou download se preferir, destacam-se os seguintes:
 O que é socialismo - Arnaldo Spinderdownload Aqui
 O que é comunismo - Arnaldo Spinder - download Aqui
 O que é política - Wolfgang Leo Maar - download Aqui
 O que é ideologia - Marilena Chauí - download Aqui
 O que é positivismo - João Ribeiro - download Aqui
 O que é pedagogia - Paulo Ghiraldelli Júnior - download Aqui
 O que é cultura - José Luiz dos Santos - download Aqui
 O que é marketing - Raimar Richars - download Aqui
 O que é etnocentrismo - Everardo P. Guimarães Rosa - download Aqui
 O que é filosofia - Caio Prado Júnior - download Aqui
 O que é bioética - Debora Diniz e Dirce Guilherme - download Aqui

Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

Livros Juvenis - Coleção Vaga-lume

Eis um conjunto de livros juvenis, que fazem parte de uma famosa coleção dos anos 70 e 80, editada pela Editora Ática de São Paulo no Brasil, tendo sido lançada no ano de 1972, hoje a respectiva editora, pertence juntamente com a Scipione, ao grupo editorial Somos Educação, que afirmou este ano desistir de editar livros na linha comercial, e apostar unicamente nas edições didáticas e para-didáticas, tais como as coleções Vaga-lume e Para Gostar de Ler,  tal como comunicou no dia 8 de outubro de 2015, o diretor editorial do Grupo, Mário Ghio Junior ao jornal paulista Folha de S. Paulo.

Os livros foram marcantes com as suas capas sugestivas e originais, livros estes que foram utilizados como instrumento didático nas escolas, como suporte do aprofundamento do gosto pela leitura, incluindo no fim do livro exercícios de trabalho e de interpretação a serem feitos pelos estudantes infanto-juvenis.

Os livros que tornaram-se memoráveis para gerações foram Éramos Seis, de Maria José Dupré; ainda da mesma autora A Ilha Perdida; O Escaravelho do Diabo, de Lúcia Machado de Almeida, livro que foi também passado para as telas do cinema e o écran da Televisão; O Feijão e o Sonho, do famoso autor Orígenes Lessa; nem todos estes estão listados abaixo, encontram-se alguns títulos abaixo, no formato pdf e os deixamos disponíveis para leitura.

 A Ilha perdida - Maria José Dupré - download Aqui
 Éramos seis - Maria José Dupré - download Aqui
 O outro lado da Ilha - José Maviel Monteiro - download Aqui
 A aldeia sagrada - Francisco Marins - download Aqui
 A grande fuga - Sílvio Pereira - download Aqui
 A charada do Sol e da chuva - Luíz Galdino - download Aqui
 A árvore que dava dinheiro - Domingos Pelegrini - download Aqui
 Cabra das rocas - Homero Homem - download Aqui
 O menino de asas - Homero Homem - download Aqui
 O ninho dos gaviões - José Maviel Monteiro - download Aqui
 O rapto do garoto de ouro - Marcos Rey - download Aqui





Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

sábado, 24 de outubro de 2015

Sectarismo de Cavaco Agrava Crise Política

O Presidente de Portugal, Cavaco Silva, agravou a crise política em que o país está mergulhado, indigitando para o governo o atual Primeiro-ministro Passos Coelho da coligação de direita, entre os Néo-liberais do PSD e os Democratas-cristãos do CDS, sem que estes tenham apoio parlamentar suficiente; não se limitando apenas a esse ato, o presidente discursou com um tom arrogante, e ameaçador fechando a porta a um possível governo de esquerda, maioritária no parlamento, composto pelas bancadas socialista (PS), bloquista (BE) e comunista (PCP-PEV), acusando-os de defenderem a saída do euro e a saída da OTAN.
Alertou ainda a que os socialistas sejam responsáveis, num apelo aos deputados para que votem em consciência em vez de votar em bloco, o que se leu como um incentivo à cisão interna do PS.
A atitude de Cavaco Silva gerou contestação e divisão na sociedade portuguesa em dois pólos ideológicos, esquerda x direita, e devido a isso fez com que o PS e toda a esquerda se unissem, o que faz com que o governo seja incapaz de governar.

Para muitos comentadores na imprensa e na televisão, Cavaco Silva, agiu de modo faccioso, irresponsável e com mero espírito de matilha ao favorecer apenas os interesses do seu partido em lugar dos interesses da nação e dos portugueses.

Autor Filipe de Freitas Leal


Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

A Era da Incerteza # 1.2 - A Paisagem

1.2 - A Paisagem

Os economistas têm periodicamente tentado descrever o sistema económico para os leigos, como se se tratasse de uma máquina. A matéria-prima alimenta-a; os trabalhadores põe-na em movimento; os capitalistas possuem-na; o Estado, os donos da terra, os capitalistas e os trabalhadores partilham o seu produto, geralmente de uma forma clamorosamente desigual. A impressão seria melhor se se pensasse num mundo económico como uma paisagem. Antes da Revolução Industrial, esse mundo era fundamentalmente agrícola  Os batalhadores empregavam-se, na maior parte, na agricultura. Rendimento e poder, duas coisas que geralmente andam juntas, eram expressas pelo tamanho e magnificência das habitações onde as pessoas viviam; as dos trabalhadores rurais eram muitas e sórdidas, A abundância de mão-de-obra e a relativa escassez da terra favoreciam o proprietário, tal como a tradição, a posição social, as leis e a educação. A casa do dono da terra refletia esse statu privilegiado.

O Estado, por sua vez, exercia outro domínio  primordial, tanto sobre o dono da terra como sobre o trabalhador. O poder descia do governante para o dono da terra e deste para o trabalhador. À medida que o poder percorria os sucessivos escalões, o rendimento aumentava. É uma lei que convém lembrar. O rendimento flui quase sempre ao longo do mesmo eixo que o poder. mas na direção oposta.

Nem o poder estatal nem o dos possuidores da terra era absoluto. Na Inglaterra, por altura da Revolução Industrial, tanto graças à lei como à tradição, os rendeiros e os próprios trabalhadores rurais dispunham de algumas defesas mínimas contra o poder dos seus senhores. Havia leis reguladoras das suas indemnizações e expulsões que tinham de ser respeitadas. E em Runnymede, em 1215, uma grande assembleia tinha selado um compromisso histórico com a liberdade humana, de particular incidência na fixação rigorosa dos direitos da propriedade imobiliária. Em consequência disso, a posição dos grandes proprietários da terra ficou substancialmente protegida contra as incursões do rei. Contudo, a Inglaterra era um caso ímpar, Em França, os camponeses estavam muito menos protegidos contra os seus senhores; tanto os que não possuíam terras como aqueles que as tinham, eram muito mais vulneráveis às exigências do rei cada vez mais insistentes. E o mesmo se passava no resto da Europa, agravando-se à medida que se penetrava no Oriente e na Ásia. Na Índia, no longínquo domínio dos Mongóis - em cujas cortes deslumbrantes do século XVII europeus artística e arquitetónicamente mais primitivos tinha começado a abrir o seu caminho - toda a terra era considerada como uma grande plantação pertencente ao Grão-Mongol.

John Kenneth Galbraith
_______________
Autor do blog Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

A Era da Incerteza # 1.1 A Origem

1.1 - A Origem

As ideias que explicam a moderna vida económica tomaram forma durante um longo período de tempo, tal como as constituições económicas que procuram explicar. Mas há um ponto em que todos concordam e pelo qual poderemos começar. Na última metade do século XVIII a vida económica na Grã-Bretanha e, em menor escala, em toda a Europa Ocidental e, logo a seguir, na Nova Inglaterra, foi transformada por uma sucessão de invenções mecânicas - a máquina a vapor e uma série de inovações notáveis na indústria têxtil: a lançadeira volante (que apareceu mais cedo), logo de seguida da máquina de fiação para oito fios, depois a fiadeira movida a água, a fiadeira automática aperfeiçoada e, finalmente, o tear mecânico.

A roupa era (como continua a ser) instrumento fundamental de ostentação da gente rica e uma utilidade que o pobre não podia dispensar.

A fiação manual e a tecelagem eram processos infinitamente lentos e caros; a compra, por um cidadão da classe média, de um casaco, era comparável nos tempos modernos ao de um automóvel ou até mesmo de uma casa. As novas máquinas tiraram ao fabrico dos tecidos o seu caráter familiar, transferiram-no para as fábrica e tornaram o produto barato - um artigo de consumo de massa.

Com a Revolução Têxtil, surgiu uma tendência generalizada para as modificações técnicas, e de grande confiança e orgulho nos seus resultados. foi uma coisa parecida com a eclosão  de confiança na tecnologia e nas suas maravilhas que se seguiu à Segunda Guerra Mundial. No entanto, a Revolução Industrial arrastou outra revolução no pensamento económico.

Estas ideias continham indícios do mundo futuro, mas eram também - pormenor importante - profundamente influenciadas pelo mundo até então existente, praticamente o mundo da agricultura. Nem poderia ser de outra forma. Até aí, à vida económica, com exceção de um pequeníssimo número de privilegiados, apenas se pedia que fornecesse a cada um e à sua família três coisas - comida, roupa e abrigo. Tudo isto provinha da terra. A comida em primeiro lugar, claro. E as peles, a lá e as fibras vegetais. Quanto às casas, tal como eram então provinham da floresta, da pedreira, ou do forno do tijolo mais próximos  Até à Revolução Industrial, e ainda depois dela, durante muito tempo em muitos países, toda a economia era agrícola.

John Kenneth Galbraith
_______________
Autor do blog Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

A Era da Incerteza # 1 - Os Profetas e a Promessa do Capitalismo Clássico

I - Os Profetas e a Promessa do Capitalismo Clássico

Numa da últimas páginas do seu último e mais famoso livro, John Maynard Keynes - geralmente considerado o economista deste século que mais influência exerceu - observou que "...as ideias dos economistas e filósofos políticos, tanto erradas como certas  são mais poderosas do que normalmente se julga. De facto, pouco mais do que elas guia o mundo. Os homens práticos que se consideram a si mesmos isentos de quaisquer influências intelectuais, são regra geral, escravos de um qualquer economista defunto". Isto foi escrito em 1935. E, ao pensar na oratória de Adolf Hitler, Joseph Goebbels e Julius Streicher, nessa altura na crista da onda, e de Alfred Rosenberg e Houston Stweart Chaberlain, a cujas páginas tinham ido beber as suas doutrinas raciais, acrescentou: "Os loucos e governam e ouvem vozes descidas dos céus, destilam a sua fúria de um antigo escriba académico". E a isto segue-se a afirmação: "Exagera-se muito o poder dos direitos adquiridos em comparação com a invasão gradual das ideias".

Keynes abre-nos caminho à análise das ideias que explicam o capitalismo moderno - ou o socialismo moderno - e que, consequentemente guiam as nossas ações. É óbvio que deveríamos conhecer aquilo que nos governa.

Assim é, embora Keynes exagerasse o seu ponto de vista. Na verdade, nas questões económicas, as decisões não sã apenas influenciadas por ideias e direitos económicos adquiridos; estão também submetidas à tirania das circunstâncias, igualmente severa. No debate político quotidiano, consideramos extremamente importante saber se um individuo é da direita ou da esquerda, liberal ou conservador, o representante da economia de mercado ou do socialismo. não reparamos que, frequentemente, as circunstâncias  impõem a todos a mesma ação - ou a todos os que lutam pela sobrevivência. Se se deve impedir a poluição do ar para podermos respirar, ou evitar o desemprego ou a inflação para demonstrar competência na gestão  económica, não há muita diferença entre aquilo que os conservadores, os liberais ou os sociais-democratas serão obrigados a fazer. as possibilidades de escolha são lamentavelmente reduzidas.

Também faríamos melhor em não fechar demasiado os olhos à ideia do direito adquirido. As pessoas têm uma tendência permanente para proteger aquilo que possuem, para justificar aquilo que querem  ter. E mostram-se propensas a achar certas as ideias que servem tais propósitos. As ideias podem ser superiores ao direito adquirido e são também, com frequência, fruto do direito adquirido.

John Kenneth Galbraith

_______________

Autor do blog Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

A Era da Incerteza # Introdução

Um dia, no Verão de 1973, quando a escandalosa revelação do caso Watergate era a única coisa que me ocupava o espírito, recebi um telefonema de Adrian Malone, da BBC de Londres. Malone queria saber se eu estava interessado em colaborar numa série de programas de televisão acerca de alguns aspectos não especificados da história das ideias económicas e sociais.
A proposta surgiu-me num momento excecionalmente oportuno. Os professores de Harvard são compelidos, por uma tradição que deve remontar ao tempo dos peregrinos,[1] a manifestar a sua profunda paixão pelo que ensinam. Mesmo aqueles cujo enfado é mais que visivelmente retribuído pelas suas minúsculas turmas, falam no que toca ao Clube da Faculdade, de como é profunda a sua dedicação às funções que exercem. Eu achava a perpetração dessa fraude cada vez mais difícil. Já tinha dado comigo, uma ou duas vezes, a olhar com certo fastio para filas de rostos jovens e ansiosos. Uma coisa terrível: começava a pensar em reformar-me. Porque não? Porque não experimentar o vasto e impessoal auditório da televisão? Não havia – tinham-me dito já – a menor hipótese de ouvir os telespectadores a desligar os aparelhos. Que importava se um homem adormecia, se um casal desistia? O dia não tinha corrido grande coisa, o amor tinha as suas exigências e, de qualquer forma, eu nunca o saberia. Depois de uma hesitação quase simbólica, aceitei. Reuni-me com Adrian Malone. Dick Gilling, Mick Jackson e David Kennard – os homens que iriam ser, durante os três anos seguintes, meus constantes e tão estimados companheiros de trabalho.
Depressa acordamos no título a dar à série: «A idade da Incerteza» soava bem, não limitava o pensamento e sugeria o tema básico: iríamos estabelecer o contraste entre as grandes certezas do pensamento económico do século passado e a enorme incerteza com que defrontamos os problemas da nossa época. No século passado, os capitalistas estavam convencidos do êxito do capitalismo, os socialistas, do socialismo, os imperialistas, do colonialismo, e as classes dirigentes sabiam que todos esperavam que elas governassem. Só uma ínfima parte dessa certeza sobreviveu até hoje. Dada a espantosa complexidade dos problemas que o género humano atualmente enfrenta, seria, sem dúvida, bizarro que tal certeza permanecesse.
Com o decorrer das nossas discussões, surgiu um novo tema, ao lembrarmo-nos de uma coisa que está longe de ser original: as ideias são importantes, não apenas em si mesmas, mas também na medida em que explicam ou interpretam o comportamento social. As ideias dominantes de uma época são as que guiam as pessoas e os governos. Portanto, ajudam a moldar a própria história. Aquilo que os homens pensam do poder do mercado ou dos perigos do Estado está presente na leis que esses mesmos homens decretam ou não decretam – no que exigem do governo ou confiam às foras do mercado. Assim, o tratamento que daríamos às ideias podia dividir-se, grosso modo, em duas partes: Primeiro, os homens e as ideias depois as consequências destas. Em primeiro lugar Adam Smith, Ricardo, e Malthus, a seguir, o impacto dos seus sistemas na Inglaterra, na Irlanda e no Novo Mundo: primeiro, a história das ideias económicas, depois a história da economia.
Esta divisão deveria caracterizar, não só os programas iniciais e os primeiros capítulos deste livro, mas também toda a sequência da série.
Em dada altura passaríamos dos homens às consequências, das ideias às instituições. A última das grandes figuras da economia de que me ocupo é Keynes. Isto não significa que seja a última a merecer referência; deve-se apenas ao facto de aquelas que se lhe seguiram terem nascido demasiado tarde. Que nem eles nem os seus amigos se lamentam. A televisão não vai acabar. As ideias e as instituições resultantes foram as matérias-primas com que se construíram a série e este livro, e ambos têm as suas exigências.
Um trabalho como este, para a televisão, leva, por si mesmo, a uma especialização simples e óbvia. A substância seria minha; a apresentação pertenceria aos meus colegas da BBC. Se esta divisão fosse subvertida, os resultados seriam, certamente, deploráveis. Uma apresentação eficaz – uma planificação inteligente, a busca de cenas relevantes, a fotografia e a direção – só era possível na medida em que os meus colegas mergulhassem profunda e profissionalmente nas ideias. Foi o que fizeram. E, ao fazê-lo, influenciaram grandemente o meu pensamento, contribuíram muito para a minha informação. Esses benefícios fazem parte deste livro. Em troca, embora isso fosse geralmente menos importante, sugeri cenas e locais para fotografias e, ocasionalmente, como deveria ser dado significado visual a determinadas coisas.
A minha associação com a BBC não se limitou aos produtores e aos diretores. A British Broadcasting Corporation, como muitos devem saber, é uma grande organização. No mundo da televisão responsável, há a BBC e os outros. O seu génio reside na qualidade das pessoas que atrai e também no facto de cada um sentir – os talentosos operadores de câmara, sonoplastas, luminotécnicos, assistentes de produção, colaboradores vários – que partilha verdadeiramente a responsabilidade pelo produto final.
Trabalhar para a televisão, todos os escritores que experimentaram o sabem, é muito diferente de escrever um livro. A administração do tempo tem de ser rigorosa. Uma hora de Karl Marx pode parecer interminável a alguns telespectadores, em relação à sua vida, longa, intensa, variada e prodigiosamente ativa – é apenas um minuto. Não se trata de simplificar; pode-se expor uma ideia central rapidamente, com o rigor e a clareza, e, mesmo assim, ser-se chamado à pedra. A disciplina do tempo manifesta-se na necessidade de seleção – temos de nos concentrar nos pontos mais importantes e, ainda assim, escolher alguns de entre eles. E tudo o que o autor selecionar será profundamente pessoal; que ninguém  pense que o que ele escolhe para dizer acerca de Adam Smith, Ricardo, Karl Marx, Lenine ou John Maynard Keynes, ou a própria seleção destas figura, de preferência a outras, reflete uma sabedoria imutável e objetiva. Em televisão, não se pode ser exaustivo. Apenas se pode esperar que a seleção seja razoavelmente apreciada. O que se pode propor, com toda a diplomacia e tato, aos críticos – àqueles que, na tradição do seu oficio, juntam calor e uma generosidade infalível a uma profunda perceção – é que digam se o que fizemos contribuiu alguma coisa para o conhecimento humano.
Num programa de televisão, uma parte da história é contada pelas imagens, outra pelas palavras. Ninguém pensaria em publicar um livro que contivesse as imagens sem as palavras (bom… convém ter cautela ao dizer isto: hoje, os editores publicam quase tudo). Da mesma forma, ninguém pensaria em publicar as palavras escritas para o écran. Um texto para o cinema ou para a televisão é uma coisa mutilada, uma forma sem rosto. Deve ser também concebido sem esquecer que o telespectador o ouve apenas uma vez. Quiçá em programas deste tipo se devesse proporcionar a quem os vê a possibilidade de repetir imediatamente os pontos mais difíceis. Mas tal não acontece. O autor de um livro, ao contrário, parte do princípio que o leitor, ocasionalmente, dará, às vezes, uma vista de olhos às páginas já lidas, para tornar aquilo que o autor diz ou tenta dizer.
Quando reparei a série, escrevi primeiro ensaios cuidadosos acerca dos assuntos a tratar. Foi a partir desse material básico que se desenvolveram os textos para a televisão. Com os ensaios originais, melhorados pelos «scripts», escrevi então este livro, que muitas vezes vai para além das ideias e dos acontecimentos focados no programas de televisão. Felizmente que um capítulo não tem de ser limitado ao que se pode ler numa hora – pelo menos, por enquanto. O livro tem gravuras, mas para ilustra a história. As palavras foram escritas para viverem por si mesmas. Emergi dos meus três anos com a BBC com um maior respeito pela televisão; mas de modo algum acredito que a palavra escrita seja obsoleta ou para lá caminhe.
John Kenneth Galbraith



[1] Primeiros colonos puritanos ingleses que em 1920, fundaram a colónia de Plymouth, no atual Estado de Massachustts, EUA – NT.


Autor Filipe de Freitas Leal


Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

Ciência Política # Introdução

A Ciência Política, é o estudo dos factos políticos, relativos ao Poder, à sua conquista, organização e manutenção, influenciando e orientando a vida em sociedade nos seus mais diversos aspetos tais como a economia, o Direito, a saúde e a educação públicas entre outros.

Debruça-se sobre sistemas políticos, ideologias, filosofia e história das ideias políticas, com as diversas correntes ao longo das épocas da história e das circunstâncias que a influenciaram.

Hoje em dia é mais necessário que nunca antes, termos conhecimento da política e do seu funcionamento, porque a nós diz diretamente respeito, influenciando as nossas vidas e a das gerações futuras.

No poema de Bertold Brecht, “O Analfabeto Político” onde critica as pessoas que orgulhosamente dizem não gostar ou querer saber de política, isso porque a nossa indiferença às questões políticas refletem-se no preço do pão, no desemprego, na criminalidade, na violência, insucesso escolar e tantos outros males sociais terminando claro na corrupção que mina a política.

Tal como o conhecimento de economia ou sociologia, conhecer a Ciência Política tornou-se indispensável para uma cidadania consciente e ativa, disperta para os direitos humanos e a justiça social, mas também é importante para compreender melhor a política internacional, a geopolítica ou a globalização.

O conhecimento das ciências sociais e humanas, são uma fonte de libertação intelectual e de desenvolvimento cientifico de uma nação,  a ciência politica, faz-nos compreender As revoltas no mundo árabe, as convulsões sociais na Grécia e no Reino Unido entre outros fenómenos do nosso tempo.

Aqui estão os apontamentos de Ciência Política do 1º ano do Curso de Serviço social, do ISCSP - Instituto Superior de Ciências Sociais e Politicas (UTL - Universidade Técnica de Lisboa). Os apontamentos foram redigidos por mim em 2010.

Abaixo temos pois, uma lista de artigos, relacionados com a Introdução à Ciência Política por ordem:

Ciência Política # 1 - O que é?

Ciência Política # 2 - Objetivos da Política

Ciência Política # 3 - O Povo

Ciência Política # 4 - O Território

Ciência Política # 5 - O Poder soberano

Ciência Política # 6 - A soberania

Ciência Política # 7 - Confederação e Federação

Ciência Política # 8 - Uniões Pessoais

Ciência Política # 9 - Organização interna

Ciência Política # 10 - Conceitos Platónicos

Ciência Política # 11 - Conceitos Aristotélicos

Ciência Política # 12 - Designação de cargos

Ciência Política # 13 - Monarquia

Ciência Política # 14 - República

Ciência Política # 15 - Legitimidade do Poder

Ciência Política # 16 - Nação (conceitos)

Ciência Política # 17 - Nação e o Poder

Ciência Política # 18 - A Constituição

Ciência Política # 19 - Os fins do Estado

Ciência Política # 20 - A Teoria das Elites

Ciência Política # 21 - O Parlamentarismo


Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Ciência Política # 1 - O que é?

A Ciência Política, o que é?
É a Ciência dos fenómenos políticos, que estão implicados diretamente na aquisição, manutenção e exercício do poder.
O Poder divide-se por dois tipos o Poder Político, relativo ao Estado e o Poder Social relativo às Sociedades Menores, com objetivos menores e limitados por Sociedade Menor entendemos a Família, a Empresa, a Escola, o clube etc.
A Ciência política, não é uma ciência isolada, ou seja, ela vai buscar a um numero razoável de outras ciências paralelas, material de apoio que lhe servirá de guia no estudo da realidade social e nos campos, em que a partir daí a Política deve agir.
Estamos pois, a falar de ciências como a Sociologia, Geografia, História, Economia, Psicologia Social, Filosofia Política, Antropologia Cultural, Geopolítica e o Direito.
Para além da Política em si, teremos que nos debruçar sobre as Teorias Políticas, Doutrinas e Ideologias, que por outras palavras será entender a política da base das suas teorias e ideias até à sua prática (práxis).
Maquiavel, autor de "O Príncipe"
Um dos grandes expoentes da Ciência Política, foi sem duvida Nicolau Maquiavel, considerado o fundador da politica como ciência e autor do celebre livro "O Príncipe", onde relata a politica tal como é e não do modo ideal, como por exemplo fez o idealista Thomas Morus, autor da Utopia, também um dos precursores da Ciência Política.
O nome de Maquiavel ficou para sempre ligado ao adjetivo maquiavélico, como sinónimo de esperteza, astúcia e oportunismo.
A ciência politica aborda também, as formas de organização administrativa do Estado, a forma do governo, mas também a metodologia e as suas mais diversas abordagens teóricas e filosóficas.
Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.