10 ANOS

Desde julho de 2007 a debater ideias e a defender causas.

Raif Badawi o Direito de Ser Blogger

Somos todos Raif Badawi, se acreditamos que a liberdade de expessão é um direito inalienável da Pessoa Humana, então todos somos Raif Badawi.

O Humanismo

O Humanismo mais que uma ideologia é uma praxis ao alcance de cada um de nós, somos chamados a fazer o que estiver ao nosso alcance e de acordo com as nossas possibilidades em prol do bem comum.

A Terceira Idade e a Cultura Intergeracional

A revolução grisalha, e a cultura de uma sociedade intergeracional, juntanto-se a todo o conjunto de uma cultura de inclusão, a força da juventude e a sabedoria da idade produzem um mundo novo.

Solidariedade Social

A solidariedade social, mais que comunhão de esforços em prol de causas é o dar-se em prol dos nossos semelhante, é um dos temas centrais deste blog,.

Trabalhos Académicos, do Serviço Social e Sociologia à Ciência Política

Desde 2010 que o Etcetera, disponibiliza para consulta, um conjunto de estudos académicos de várias áreas da ciência, como sociologia, psicologia, ciência política, economia social entre outras.

Sugestões de Leitura - Lista de Livros

Lista de Livros, sugestão dos mais importantes da Literatura Universal e Humanista, o mais importante é ler bons livros e não sermos guiados pelos livros da moda.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Discurso de Ghandi - "Sobre Deus"

Há um poder misterioso e indefinível que permeia todas as coisas, eu o sinto apesar de não enxergá-lo.
É esse poder invisível que se faz sentir e desafia todas as evidências, porque é tão diferente de tudo o que eu percebo através de meus sentidos.
Ele transcende os sentidos. Mas é possível concluir através da razão a existência de Deus até certo ponto.
Até mesmo nas atividades corriqueiras, nós sabemos que as pessoas não sabem quem governa ou porque e como Ele governa, e ainda assim eles sabem que há um poder que certamente governa.
Durante meu tour no ano passado à cidade de Mysore, eu conheci aldeões muito pobres e descobri, após questioná-los, que eles não sabiam quem governava Mysore. Eles simplesmente disseram que algum deus governava o local. Se o conhecimento dessas pobres pessoas era tão limitado a respeito de seus governantes, não seria surpresa se eu, que sou infinitamente menor do que Deus, do que eles são de seu governante, não percebesse a presença de Deus - o Rei dos reis.
Contudo, eu sinto assim como os pobres aldeões de Mysore, que há uma ordem no universo, há uma lei imutável governando todas as coisas e todos os seres que já existiram e existem.
Não é uma lei cega, pois nenhuma lei cega pode governar a conduta de um ser vivo, e graças à pesquisa maravilhosa do Senhor J. C. Bose, foi comprovado que até a matéria possui vida.
Essa lei que governa toda a vida é então Deus. Lei e o doador-de-leis são um.
Eu não posso negar a lei ou o doador-de-leis, porque O conheço tão pouco,  a minha negação ou ignorância da existência de um poder terreno não vai evitar nada, minha descrença em Deus e em Sua Lei não vai me liberar de suas operações.
Enquanto a humildade e o silêncio. quanto à autoridade divina deixam a jornada da vida mais fácil, mesmo a aceitação de uma lei terrena deixa a vida mais fácil.
Eu percebo vagamente que enquanto tudo ao meu redor está sempre mudando, sempre morrendo, há por trás de todas essas mudanças uma força viva que é imutável, que mantém todas as coisas juntas. Que cria, dissolve e recria.
Esse poder espiritual informativo é Deus, e já que nada do que eu meramente vejo através dos sentidos pode ou vai persistir, Ele sozinho, persiste.
E esse poder é benévolo ou malévolo? Eu o vejo como puramente benévolo, porque enxergo que no meio de tantas mortes, a vida persiste,
no meio de tanta injustiça a verdade persiste, no meio da escuridão a luz persiste.
Portanto eu concluí que Deus é vida, verdade, luz.
Ele é amor. Ele é o Bem supremo.
Ele não é meramente um deus que satisfaz o intelecto, se alguma vez o satisfaz.
Deus para ser Deus tem que governar o coração e transformá-lo.
Ele precisa se expressar em cada minúscula ação de seu partido.
Isso só pode ser feito através de uma percepção definitiva, mais real do que os cinco sentidos podem captar.
Percepções sensoriais podem e são com frequência, falsas e enganosas, apesar de nos parecerem reais. Aonde há percepção fora dos sentidos há infalibilidade.
Isto é provado, não por evidências externas, mas nas transformações da conduta e caráter daqueles que realmente sentiram a presença interna de Deus.
Tais depoimentos são encontrados nas experiências de linhagens contínuas de profetas e sábios em todos os países e climas.
Rejeitar essa evidência é rejeitar a si mesmo. Essa compreensão é precedida por uma fé inabalável.
Aquele que testar a realidade em si mesmo da presença de Deus, pode fazê-lo através de uma fé sincera, mas já que a fé em si mesma não pode ser comprovada com evidências externas, o caminho mais seguro é acreditar na moral do governo mundial e portanto na supremacia da lei moral, da lei da verdade e do amor.
Um exercício de fé seria o caminho mais seguro, aonde há uma clara e maioritária determinação para rejeitar tudo o que é contrário à verdade e ao amor.
Eu confesso que não tenho argumentos racionais para convencê-los. A fé transcende a razão.
Tudo o que lhes posso aconselhar é que não tentem o impossível. 



Este artigo respeita as normas do novo Acordo Ortográfico.

contador de visitas Pessoas visualizaram este artigo

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal - Nasceu em 1964 em Lisboa, é estudante de Serviço Social no  Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas - ISCSP, Fundou este blog em 2007, para o debate de ideias e a defesa do humanismo, edita outros blogs, cujo teor vai da filosofia à teologia, passando pelo apoio ao estudo autodidático. (ver o Perfil  

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

O Povo Brasileiro (O Brasil Colonial)



O Povo Brasileiro (Os Mestiços)



O Povo Brasileiro (Os Imigrantes)



O Povo Brasileiro (Os Índios)



O Povo Brasileiro (Os Africanos)



domingo, 12 de agosto de 2012

O Povo Brasileiro (Os Portugueses)



terça-feira, 7 de agosto de 2012

Música - No Teu Poema - Carlos do Carmo


No teu poema
Existe um verso em branco e sem medida
Um corpo que respira, um céu aberto
Janela debruçada para a vida
No teu poema existe a dor calada lá no fundo
O passo da coragem em casa escura
E, aberta, uma varanda para o mundo.

Existe a noite
O riso e a voz refeita à luz do dia
A festa da Senhora da Agonia
E o cansaço
Do corpo que adormece em cama fria.
Existe um rio
A sina de quem nasce fraco ou forte
O risco, a raiva e a luta de quem cai
Ou que resiste
Que vence ou adormece antes da morte.
No teu poema
Existe o grito e o eco da metralha
A dor que sei de cor mas não recito
E os sonos inquietos de quem falha.
No teu poema
Existe um canto, chão alentejano
A rua e o pregão de uma varina
E um barco assoprado a todo o pano
Existe um rio
O canto em vozes juntas, vozes certas
Canção de uma só letra
E um só destino a embarcar
No cais da nova nau das descobertas
Existe um rio
A sina de quem nasce fraco ou forte
O risco, a raiva e a luta de quem cai
Ou que resiste
Que vence ou adormece antes da morte.
No teu poema
Existe a esperança acesa atrás do muro
Existe tudo o mais que ainda escapa
E um verso em branco à espera de futuro.
No Teu Poema - Carlos do Carmo No Teu Poema - Mafalda Arnauth No Teu Poema (Volo) - Peppino Di Capri

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - Convertido pelo Lince