Raif Badawi o Direito de Ser Blogger

Somos todos Raif Badawi, se acreditamos que a liberdade de expessão é um direito inalienável da Pessoa Humana, então todos somos Raif Badawi.

O Humanismo

O Humanismo mais que uma ideologia é uma praxis ao alcance de cada um de nós, somos chamados a fazer o que estiver ao nosso alcance e de acordo com as nossas possibilidades em prol do bem comum.

A Terceira Idade e a Cultura Intergeracional

A revolução grisalha, e a cultura de uma sociedade intergeracional, juntanto-se a todo o conjunto de uma cultura de inclusão, a força da juventude e a sabedoria da idade produzem um mundo novo.

Solidariedade Social

A solidariedade social, mais que comunhão de esforços em prol de causas é o dar-se em prol dos nossos semelhante, é um dos temas centrais deste blog,.

Trabalhos Académicos, do Serviço Social e Sociologia à Ciência Política

Desde 2010 que o Etcetera, disponibiliza para consulta, um conjunto de estudos académicos de várias áreas da ciência, como sociologia, psicologia, ciência política, economia social entre outras.

Sugestões de Leitura - Lista de Livros

Lista de Livros, sugestão dos mais importantes da Literatura Universal e Humanista, o mais importante é ler bons livros e não sermos guiados pelos livros da moda.

terça-feira, 29 de março de 2011

Adoção de Idosos e Exclusão Social

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/53/Alte_frau_seybold.jpg
Portugal mais uma vez está a realizar um censo, o seu XVº recenseamento geral da população, pelo que esperamos o fim desta consulta para termos acesso a dados novos sobre a nossa sociedade. O censo pode ser respondido on-line teoricamente por todos, embora de facto essa possibilidade esteja vedada à faixa da população que se encontra em “infoexclusão”, novo conceito de exclusão social em países desenvolvidos que designa o conjunto de pessoas que não têm acesso aos meios informáticos, quer seja por inaptidão devido à idade, quer seja por falta de recursos.

Um dos dados que se aguarda com antecipação é o do nível de envelhecimento da nossa população – a expectativa de vida em Portugal é maior hoje que no passado naturalmente, mas há que saber precisar exatamente quanto. Segundo a CIA World Factbooka  longevidade nas mulheres portuguesas atinge em média os 82 anos e nos homens fica-se pelos 75, o que contudo é baseado apenas nas estimativas possíveis entre recenseamentos gerais.

Segundo dados do INE, existiam em 2009 cerca de 321 mil idosos a viver sozinhos em Portugal (via), sendo a maioria mulheres viúvas. Ora, estes dados, que aparecem associados ao relato por parte da autoridade estatística do seu progressivo aumento no passado recente, exigem que se olhe cada vez de modo mais sério para a problemática da terceira idade na nossa sociedade, que vem associada a problemas gravosos e cada vez mais bem mapeados como os da exclusão social dos idosos em geral, os da violência familiar sobre os idosos, os da escassez de cuidados de saúde especializados e contínuos ou os da falha da garantia aos idosos dos seus direitos básicos de dignidade individual e social.

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) é uma das instituições sociais mais ativas e diversificadas no cuidado que presta a idosos - ver aqui a diversidade da sua oferta.

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/53/Alte_frau_seybold.jpgDe destacar é contudo, pela sua oportunidade e originalidade, a campanha que vem desenvolvendo desde Maio de 2010, que pretende identificar famílias que estejam disponíveis para adotar idosos carenciados sem família. Não obstante as famílias disponíveis recebam pelo menos 447,27€ por mês para acolherem o idoso, podendo acolher até um máximo de três, os primeiros meses da campanha foram uma deceção, obrigando a uma nova fase de ativa publicitação dessa possibilidade, no fim do ano passado, também sem grandes resultados (via). Ora, continua em aberto essa possibilidade, e as necessidades são crescentes. Sobre essa forma de apoio social, contacte-se a Direção de Acção Social da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (ver aqui).

Outro serviço que merece relevo é o de Atendimento e Apoio Telefónico para Idosos, em especial o de TeleAssistência. Para além de um fim assistencial, estes serviços têm também o fim declarado de ajudarem a combater a solidão dos idosos.

Actualmente, nesse âmbito, a SCML tem ao serviço da população idosa as linhas abaixo:
  • STA – Serviço Tele Alarme – Serviços de Apoio a idosos: 21 793 33 60
  • Linha do Cidadão Idoso: 800 20 35 31.
 Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Mendicidade, Um Estigma na Pobreza I

O século XXI, surgiu-nos pleno de promessas e esperanças, após as grandes conquistas do século passado, como as tecnológicas, as de direitos de cidadania, as de cada vez maior igualdade de género, e as de combate crescente à segregação e ao preconceito, seja de género, raça, credo ou de nacionalidade.  A Democracia forneceu o pano de fundo a muitas dessas mudanças civilizacionais, como princípio de organização política sustentada no reconhecimento e disseminação do postulado do direito à autodeterminação dos povos que culturalmente foi consolidando o princípio do direito à “auto-determinação individual”. Enfim, tratava-se de um novo século que após tantas conquistas seria logo à partida, julgava-se, tão promissor quanto possível, e o palco, esperávamos, do encontrar do tão desejado equilíbrio sócioeconómico a nível global, que permitiria o avanço sustentado do combate à pobreza e à exclusão social.

Mas eis que, na realidade, não obstante seja positivo o sentido global de evolução, inegavelmente, a grande desprotecção dos pobres e dos excluídos face à variação das condições socioeconómicas fez com que, neste século que tem até ao momento sido de mudanças e desafios profundos ao nível do modelo económico vigente, se tem verificado um agravamento generalizado nas sociedades ocidentais da situação dos mais desfavorecidos, quer em consequência da crise económica do Subprime em 2008 quer do efeito dominó que a partir daí arrebatou as  economias de países que entraram em banca rota, como a Islândia, o Equador, a Grécia, a Irlanda. Portugal não ficou imune, sendo arrastado para uma crise económica, política e social que se agrava.

Esta crise acarreta a ruína de uma franja da população de forma violenta, os mais necessitados, os sem abrigo, os sem emprego, os sem família os sem esperança, e sobretudo os dependentes quase exclusivamente da caridade alheia e das instituições religiosas e de solidariedade social, tais como por exemplo (internacionalmente) “O Exército de Salvação” e a “Santa Casa da Misericórdia” e por exemplo (nacionalmente) a “Comunidade Vida e Paz”, a “Casa” e a “CEPAC Centro Padre Alves Correia” que prestam uma grande ajuda às pessoas mais pobres e empobrecidas. Destacaremos hoje as duas últimas quer como modo de divulgar os seus esforços, quer como de as promover junto dos estudantes e especializados na área das Ciências Sociais, convidando todos a uma visita, desde logo, aos seus sites.

A CEPAC, tem como objectivo reinserir os imigrantes ilegais explorados em Portugal, tais como as ciganas romenas. O centro pretende ajudar quem vive em situação de mendicidade, tendo baixa escolaridade e encontrando-se em situação de uma forte exclusão social.

A CEPAC presta um enorme serviço, por exemplo no caso das mulheres ciganas romenas, dando formação a estas mulheres, não só escolar mas também profissional, o que se torna numa grande mais valia para a sua inserção social, auto estima, autonomia, bem como para a conquista do seu espaço na sociedade, deixando as ruas, a indigência e a mendicidade.

A CEPAC tem vários projectos de desenvolvimento para imigrantes, tais como o: “Fronteiras do Imigrante – Agir para Incluir”, sendo apoiada pela ONGD “Pórticus”.

Recomenda-se quer a visita ao site quer a colaboração. Nesta página encontram-se dados sobre como apoiar financeiramente a instituição ou como colaborar com tempo, em regime de voluntariado.
Outra instituição, e esta totalmente voltada para os “Sem Abrigo” é a “Casa – Centro de Apoio aos Sem Abrigo”, que suportando-se no apoio de voluntários e de restaurantes e benfeitores das cidades onde actua, tem vindo a servir todas as noites, refeições quentes e embaladas, a distribuir roupas e uma palavra amiga e de esperança, aos sem abrigo nas cidades de Lisboa, Porto, Coimbra, Faro e Setúbal.
A “Casa” necessita também de voluntários, agradecendo também todos os donativos que lhe possam ser encaminhados. Sobre donativos ver aqui. Sobre voluntariado especializado e não especializado aqui.
Ambas as instituições podem ser receptoras da consignação de 0,5% em sede de IRS. Vejam nas páginas indicadas como.
C.A.S.A. – Centro de Apoio ao Sem Abrigo
Sede Institucional: Rua Dona Estefânia, 124, 1º, 1000-158 Lisboa
Tel: 212 419 968 Fax: 213 163 488 email: info@casaapoioaosemabrigo.org
CEPAC – Centro Padre Alves Correia
Sede Institucional: Rua Dona Estefânia, 124, 1º, 1000-158 Lisboa
Tel: 213.973.030 Fax: 213.951.280 e-mail: director.tecnico@cepac.pt
www.cepac.pt.


Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

domingo, 27 de março de 2011

Serviço Social em Contexto de Crise

Tem-se vindo a falar em Portugal, de uma pobreza escondida, de uma classe de novos pobres que foram anteriormente empresários, ou profissionais liberais e que devido à crise que se iniciou em 2008 nos Estados Unidos da América com o “Subprime”, alastrou a todo o mundo e atingiu na sua maioria os países com uma economia mais fraca, como é o caso de Portugal, tendo em conta o agravamento do défice público.

Mediante este quadro, e com bastante pertinência vai realizar-se na UTAD – Universidade de Trás os Montes e Alto-Douro, a Conferência dedicada ao tema “Os Serviços Sociais e os Profissionais em Contextos de Crise”, a decorrer dia 7 de Abril das 14h30 às 17h00, no Auditório do Edifício CIFOP em Vila Real, no âmbito do II Ciclo de Conferências em  Serviço Social, e que terá como orador o Professor Doutor Pedro Hespanha da Universidade de Coimbra.
No âmbito do mesmo Ciclo, está ainda agendada para dia 11 de Maio, no mesmo horário e local da conferência anterior, a Conferência “Tendências, Enfoques e Modalidades do Serviço Social”, ministrada pela Professora Doutora Marlene Braz Rodrigues, docente no ISSSL.
O objectivo destas conferências é explorar o contexto que decorre da actual conjuntura socioeconómica portuguesa, ou seja do agravamento da crise e das consequências que daí advém tanto para a um fatia da população que se vê empobrecida bem como para os profissionais de serviço social que têm de reavaliar a prática e a abordagem do seu método de trabalho para a intervenção junto do sistema cliente, agora mais alargado.
A Entrada é livre, mas não dispensa a inscrição prévia. Para mais informações clique-se aqui ou recorra-se aos contactos abaixo:
UTAD/DESG, Av. Almeida Lucena, 1 /5000-660 Vila Real


Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.


Diversidade Cultural e Religiosa

Decorreu no dia 25 de Março, sexta-feira pelas 14h, um encontro promovido pela ACIDI – Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural que é representado por Filomena Cassis do projecto “Entreculturas”, cujo tema central é “Diversidade Cultural e Religiosa em Contexto Escolar”. Este evento, realizou-se no Auditório Agostinho da Silva na Universidade Lusófona de Humanidades, dos temas abordados foram para além do tema principal, a diversidade linguística na escola portuguesa e as boas práticas em interculturalidade.

Autor Filipe de Freitas Leal


Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.


sábado, 26 de março de 2011

OTAN Assume Ação Militar na Líbia

A OTAN vai assumir a ação militar na Líbia contra o regime do Coronel Muamar Kaddafi, com o apoio da Turquia após dias de discussão em que só sexta-feira se fez um acordo final.
Quais as consequências desta decisão da aliança europeia, da retirada estratégica dos EUA com uma guerra na Líbia que promete arrastar-se por algum tempo, que não se sabe ao certo quanto, ninguém sabe responder ainda. Mas espera-se a vitoria da democracia.
O mundo árabe vive hoje uma forte conturbação social, devido às baixas condições de vida das populações e também da opressão politica e social, as populações árabes do Magrebe e do Oriente Médio tomaram consciência da democracia e querem-na em seus países, é da democracia que depende o desenvolvimento dos seus países e das gerações futuras, é importante que se dê à Tunísia e ao Egito o apoio e se façam os esforços necessários a nível internacional para a consolidação da democracia e do desenvolvimento social nesses países.
No entanto a Costa do Marfim submerge numa nova guerra civil, após as eleições em que Laurent Gbagbo após perder as eleições, não reconheceu a derrota e recusou deixar o poder, iniciando-se uma Guerra Civil lamentável.
Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

sexta-feira, 25 de março de 2011

Criminalidade e Reinserção Social

No âmbito do 1º Fórum de Ciências Sociais e Políticas que decorreu no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas - ISCSP, da Universidade Técnica de Lisboa - UTL, tendo particular atenção ao tema acima referido, do dia 16 de março pelas 18h30, com a conferência sobre a Criminalidade e a Reinserção dos ex-reclusos na sociedade, na qual estiveram presentes os seguintes oradores:
Dr.ª Joana Patuleia dando o seu testemunho em nome da DGRSP Direção Geral da Reinserção e dos Serviços Prisionais, atualmente Vereadora da Cultura na Câmara Municipal de Bombarral;
Professor Doutor José de Almeida Brites (Psicólogo e Professor universitário) Diretor de “O Companheiro” - Associação de Fraternidade Cristã, IPSS, Instituição fundada em fevereiro de 1987 pelo Padre Dâmaso Lambers, tendo como lema e missão Para que não haja Homem explorado pelo Homem", vocacionada a promover a reinserção social da população alvo, de reclusos, ex-reclusos e as suas famílias;
Dr.ª Sílvia Moço (Assistente Social) que dirige o Gabinete de Inserção Social - GIS, de "O Companheiro". 
Amílcar Velhinho, presente na conferência, para prestar o seu testemunho vivo, de um ex-recluso, tendo sido recluso por vários anos, e foi apoiado no seu processo de reinserção social pelo "O Companheiro, instituição à qual ainda hoje está ligado.
O Sistema Prisional – Dr.ª. Joana Patuleia
O sistema prisional português, tem vindo a mudar ao longo das últimas décadas, a visão e o modo como encara a sua função na sociedade portuguesa, que desde o inicio da década de 80 tem vindo a ter um cariz mais humanista.
Segundo a Dr.ª Joana Patuleia, que foi diretora de um estabelecimento prisional, formada pelo ISCSP em politica social, afirmou que a filosofia atual do Serviço Prisional é o da segurança e reabilitação, ou seja de retirar a liberdade do recluso com o objetivo de o reinserir na sociedade, e para tal, os serviços prisionais encaram que a intervenção deve ser feita logo de inicio da condenação com o intuito de reabilitar, tendo a visão de que cada caso é um caso, mas devem ser tidas em conta as necessidades de cada recluso na sua formação escolar, profissional e revalorização pessoal para o sucesso da sua reinserção.
O universo dos reclusos em Portugal hoje é da ordem dos 12 mil indivíduos no total e contando com ambos os sexos.
As razões da criminalidade tem de ser tomadas em linha de conta, que seja por motivos de família disfuncional, estilos de vida poucos saudáveis e ambiente e companhias com propensão à criminalidade, isto para se poder preparar com programas eficazes de formação dentro da penitenciária e cujo objetivo é dar ao recluso muitas vezes aquilo que precisa mas não soube buscar por si mesmo.
Vários programas tem vindo a ser feitos, em estabelecimentos presidiários, dos quais também fazem parte alguns estudos sobre “Comportamentos Criminógenos” e “Impacto da Intervenção Penitenciária e do Nível de Reinserção”, mas alguns ainda não foram verificadas na sua validade até o momento.
A Reinserção Social – Dr. José Brites (O Companheiro)
Para o Professor Doutor José de Almeida Brites, há falhas no serviço prisional no que se refere à preparação do preso com vista à sua libertação e posterior reinserção social, que por vezes põe em causa os objetivos do Sistema Prisional no termos acima referidos, pois sem as mínimas condições de uma estrutura de apoio familiar e social, os reclusos não terão outra alternativa senão buscar apoio no mundo que conheceram antes da reclusão e é esse mesmo mundo que os levou à marginalidade social, ao crime à toxicodependência, ao alcoolismo e a uma vida de reclusão, por vezes há casos de reclusos que reincidem com o objetivo de voltar à cadeia visto não terem uma perspetiva positiva da sua vida em sociedade.
Foi neste contexto que há 24 anos, nasceu “O Companheiro” para dar uma mão amiga e ajudar os reclusos numa serie de processos de reinserção que passam por ter primeiro um abrigo, um teto, uma palavra de ápio, mas também de obter documentação, tratar da saúde, encontrar um emprego, de ter um ordenado enfim de dar sentido à sua vida.
Mas afirmou, que há muita reformulação legal, muita discussão mas os resultados estão abaixo das expectativas, sem falar no peso da discriminação social que em nada ajuda aos ex-reclusos que queiram voltar à sociedade.
O GIS Gabinete de Inserção Social – Dr.ª. Sílvia Moço
Para Sílvia Moço, nem tudo são rosas, os reclusos quando saem em liberdade, encontram uma série de problemas, sobretudo nos tempos que correm de crise económica, as portas da empregabilidade estão a se fechar, falou também de algo muito forte que o individuo sente cá fora, o “Rótulo”, “a sociedade marca as pessoas e as rotula”, acumulando o peso da idade em que alguns saem, 40 e 50 anos, não têm outra ajuda que não seja “O companheiro” e do apoio de muitos que lá trabalham como voluntários.
As necessidades dos reclusos, são muitas, por vezes vêm revoltados, não conseguem lutar por si, precisam ser incentivados, sobretudo os que não tem família, há necessidades de variadíssima ordem, nomeadamente problemas de saúde, falta de documentação, apoio judiciário, sendo preciso ajuda-los a criar rotinas de trabalho e de organização, gerir dinheiro, higiene, horários enfim criar o seu próprio projeto de vida.
Um testemunho – Amílcar Velhinho.
Amílcar Velhinho deu o seu testemunho, com teor de gratidão pelo apoio recebido no “Companheiro”, e afirmou categóricamente, “Quem passa pelo Companheiro só volta à cadeia se quiser, pois as suas atividades, os seus voluntários e o carinho que prestam nos cuidados de reinserção, é fundamental para o sucesso do indivíduo cá fora em liberdade”, conclui.
Amílcar Velhinho que na cadeia era “O velho”, esteve preso quatro vezes, foi reincidente, e decidiu-se a mudar, só conseguindo com o apoio acima referido, mas que todos sentem que “cá fora” os rótulos marcam, “lá dentro” é um mundo cão.
Voluntariado – O Companheiro
O Companheiro necessita de voluntários para manter vivo este projeto e tamém para manter viva a esperança de quem dele precisa.
Caso esteja interessado(a) em desenvolver um trabalho de voluntariado contacte de acordo com as indicações abaixo:
E-mail: v.franco@companheiro.org
Av.Marechal Teixeira Rebelo, 1500-424, BenficaTelefs: 21 716 00 18/69

Artigo reeditado em 07 de janeiro de 2015

Autor Filipe de Freitas Leal


Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

sábado, 19 de março de 2011

Feira do Livro da Lusofonia em Odivelas

Decorre desde o dia 25 de Janeiro de 2011, a “Feira do Livro de Autores de Países Lusófonos”, instalada na Biblioteca Municipal D. Dinis em Odivelas. Aí poderão ser encontradas obras de grandes autores de todos os países da CPLP, muitos dos quais presentes no decurso do evento.
Amanhã, sábado, decorrerá o último dia dedicado à Guiné-Bissau no certame. Seguir-se-á um período dedicado a Moçambique (de 22 de Março a 2 de Abril), um dedicado a São Tomé e Príncipe (de 5 a 16 de Abril) e, por último, um conjunto de dias dedicado a Timor Leste (de 19 a 30 de Abril).
Este evento terminará com a Grande Feira do Livro de Autores Lusófonos de 3 a 21 de Maio. Trata-se de um evento cujo objectivo declarado é aproximar os diferentes povos e culturas na unidade do mesmo idioma, dando corpo ao sentido que Fernando Pessoa tão bem cristalizou na frase “A Língua Portuguesa é a minha Pátria”.

Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

sexta-feira, 18 de março de 2011

Dia Internacional Contra a Discriminação

O ACIDI (Alto Comissariado para a Imigração e Diversidade Intercultural) promove um evento no dia 21 de Março para comemorar o Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial. Trata-se de um Seminário onde serão debatidos temas como o enquadramento legal contra a discriminação racial em Portugal, as estratégias do combate à xenofobia, e a discussão em torno do racismo em Portugal, especificamente discutindo o que é mito ou realidade no tratamento dessa problemática, entre outros temas pertinentes ao evento.
O evento ocorrerá no no Centro de Informação Urbana de Lisboa CIUL – Picoas Plaza pelas 9H30. É necessário confirmar a presença através de envio de um e-mail para seminários@acidi.gov.pt até amanhã, dia 17 de Março.

Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

Concurso de Fotografia da Amnistia Internacional

Decorre desde o dia 11 de fevereiro, um concurso de fotografia, organizado pela Amnistia Internacional, subordinado ao tema “Sim à diversidade, não à discriminação” que convida em toda a Europa pessoas para participar deste concurso, com fotografias em que seja visível a visão que cada um tem sobre uma sociedade sem discriminação, e pela inclusão social, através da sua criatividade fotográfica e expressão visual sobre o tema abordado.
Voltamos ao tema para lembrar que o prazo final de candidatura está próximo: 31 de Março de 2011. Para mais informações sobre os termos do concurso e como obter acesso à ficha de inscrição veja-se o site da Amnistia Internacional.   O mail a ser usado no pedido de mais informações é o e-mail: i.gomes@amnistia-internacional.pt.

Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

domingo, 13 de março de 2011

Livro - O Estado a Que o Estado Chegou

Livro lançado, dia 25 de fevereiro, vem mostrar aos portugueses, de todos os quadrantes e classes sociais, de forma clara e detalhadamente ilustrado com gráficos, mapas e muitas estatísticas reais do dia a dia do país, nos seus gastos desmesurados, e sobretudo num futuro que parece ser mais distante, e de um impasse que se mostra perpetuar no tempo.
Temos visto que a obra lançada pelo DN em várias reportagens editadas ao longo do mês de janeiro, com a coordenação editorial de Maria de Lurdes Vale, com a colaboração de Carlos Diogo Santos, João Cristóvão Baptista, Rui Marques Simões, Rui Pedro Antunes e Sónia Simões, editado pela Gradiva e DN, vem mostrar o verdadeiro retrato de Portugal.
É uma obra que fazia falta, para a prática da cidadania não basta votar, criticar é preciso ter consciência e saber o que queremos como povo e para onde queremos que os nossos dirigentes levem o país.

Ano: 2011
Editora: Gradiva
Páginas: 200
Preço: 13,00 €
Link: www.wook.pt

Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

Realizou-se o 2º Congresso da EAPN

Realizou-se nos 11 e 12 de Março de 2011, na Foz do Arelho – Caldas da Rainha, o 2º Encontro Nacional de Associados da EAPN, a Rede Europeia Anti-Pobreza, que já tem em Portugal 20 anos, e várias organizações associadas.
Os objectivos principais são avaliar o percurso até aqui, e planear acções de futuro no combate à pobreza, promovendo projectos de inclusão social, organizar a comemoração do ano europeu do voluntariado entre outras actividades. Confira no site http://www.eapn.pt/.
A EAPN é uma entidade sem fins lucrativos, reconhecida como ONGD Organização Não Governamental para o Desenvolvimento.
Mais uma organização à qual nos podemos juntar como voluntários, na construção de um sociedade melhor em prol dos mais desfavorecidos.


Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

Por uma Ordem dos Assistêntes Sociais

A APSS Associação dos Profissionais de Serviço Social, convocou todos os assistentes sociais para uma concentração a realizar no Dia Mundial do Serviço Social, 15 de Março, 3ª-feira, das 16 às 17:30 horas, na escadaria do Palácio de São Bento, com o objetivo de esclarecer e clarificar junto da Assembleia da República (AR) a proposta de criação da Ordem dos Assistentes Sociais, sensibilizando assim os deputados de todas as bancadas para a importância da criação de uma ordem dos Assistentes Sociais tal como noutros países europeus, trata-se de um imperativo no sentido das necessidades do setor. 
Esta necessidade de clarificação, nasce do facto de após ter-se apresentado a proposta à AR em Outubro do ano passado ainda nada foi feito, nem apresentado no Parlamento, tendo sido já entretanto apresentadas a aprovação outros projectos semelhantes de igual data ou ainda posterior.
A participação de todos, tanto profissionais da área como alunos (futuros assistentes sociais) beneficiará sem duvida esta causa.
Adaptado do site da APSS.


contador de visitas Leituras visualizações

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

quinta-feira, 3 de março de 2011

SG II - Sociologia Geral II

A Cadeira de Sociologia Geral II, é uma cadeira obrigatória do 2.º semestre do 1.º ano do Curso de Serviço Social - Pós Laboral do ISCSP/UTL Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa, no ano letivo de 2010/11, cadeira esta que equivale no final a 5 créditos, 5 ECTS.
Trata-se de uma cadeira da Área Cientifica da Sociologia, com carga horária de 3 horas por semana sendo que no total devem ser dadas 130 horas, já contando com 45 horas de TP - Trabalho Prático, 20 horas minimas de OT - Orientação Tutorial.
Corpo Docente: A presente cadeira é ministrada pela Professora Auxiliar, Doutora Maria de Lurdes Fonseca, sendo coordenador e regente, o Professor Doutor João Bettencourt da Câmara.
Metodologia Didática: Estimular os alunos a participar ativamente nas aulas teóricas e no processo voluntário de avaliação contínua, desenvolvendo a suas capacidades crítica e heurística, bem como as suas aptidões para um profícuo estudo pessoal. Acompanhamento direto dos estudantes, quer nos trabalhos individuais quer nos trabalhos de grupo, quer ainda no esclareciento e debate das suas dúvidas e opiniões.
Objetivos: Facultar aos estudantes uma visão consistente e articulada dos principais níveis e articulações das estruturas sociais e dos seus preocessos de conservação e mudança.
Familiarizar os etudantes com os modos de análise das estruturas sociais, da perspectiva especifica da Sociologia Geral, e facultar-lhes uma visão e dados atuais sobre o fenómeno social total contemporâneo.
Avaliação: A avaliação em SG I e II é feita em RGA Regime Geral de Avaliação, ou em Exame final, sendo que no regime geral, a frequência (prova escrita) contribui com 80% para a nota final, e os outros 20% provém do trabalho individual. Em exame final, contam os 100% do exame escrito ou oral.
A Bibliografia recomendada está contida numa extensa lista, no descritor da disciplina, ver anexo abaixo.
O Programa, está exposto abaixo, capitulo a capitulo e visa acompanhar o seguimento das aulas dadas, tendo o inicio a 02/03/2011.
1. Ruptura, Continuidade e Sociedade Contemporânea.
    1.1. Ruptura, continuidade e mudança social: percepção e prova empírica;
    1.2. Pós-industrialismo, pós-modernismo e pós-humanidade;
    1.3. Aceleração da história, sociedade exponencial, perspectiva e prospectiva;
    1.4. Sociedade da Informação: traços caracterizadores e comprovação;
    1.5. Sectores primário e secundário da informação.
2. Sociologia e Filosofia Social
    2.1. Razões primeiras e fins últimos;
    2.2. Ciência e empirismo;
    2.3. Distinguindo Sociologia e Filosofia Social;
    2.4. Exemplificando: o caso do "fim da História";
    2.5. Riscos e oportunidades da Filosofia Social para a Sociologia.
  3. Obstáculos Epistemológicos ao Conhecimento Sociológico.
    3.1. Explicar o social pelo social; 3.2. Obstáculos individualistas e naturalistas;
    3.3. Obstáculos naturalistas: o caso de Margaret Mead e "Sex and  Temperament in Three Primitive Societies";
    3.4. Obstáculos geneticistas: o caso da Sociobiologia;
    3.5. Obstáculos individualistas: o caso d'"O Suicídio" de Émile Durkheim.
4. Paradigmas Sociológicos.
    4.1. Paradigmas científicos;
    4.2. Macro e microssociologia;
    4.3. Paradigmas macrossociológicos: os casos do funcionalismo, do (pós-) estruturalismo e do (neo-) marxismo;
    4.4. Paradigmas microssociológicos: os casos do interaccionismo simbólico, do individualismo metodológico e da etnometodologia;
    4.5. O lugar da mesossociologia. 
5. Poder, Poder Político e Estado.
    5.1. Poder social e poder político;
    5.2. Poder, autoridade e influência;
    5.3. Origem, elementos, fins e funções do Estado;
    5.4. Formas de governo. A classificação tripartida;
    5.5. Elites e Teoria das Elites.
6. Hierarquização Social.
    6.1. Tradições analíticas;
    6.2. Critérios de hierarquização social; 
    6.3. Factores de hierarquização social;
    6.4. Modelos de hierarquização social;
    6.5. Prestígio social, prestígio ocupacional e sua medida. 
7. Curto Roteiro de Sociologias Especializadas Seleccionadas.
    7.1. Sociologia da Família.
    7.2. Sociologia da Educação.
    7.3. Sociologia Económica.
    7.4. Sociologia da Cultura.
    7.5. Sociologia da Saúde.
    7.6. Sociologia da Religião.
    7.7. Sociologia do Género.
    7.8. Sociologia do Trabalho.

Documentos para Download
SG II - Sociologia Geral II / Descritor - Download Aqui.
Cronograma SG II - 
Download Aqui. 
Informações Gerais sobre a Unidade Curricular e Avaliação - Download 
Aqui.


Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.